SEJA NOSSO APOIADOR, CONTRIBUA COM O NOSSO TRABALHO.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

E agora? PSL começa a punir bolsonaristas do partido.

Partido quer punir os ligados a Bolsonaro os que tiveram atitude considerada infiel


O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) atacou o deputado Júnior Bozzella (PSL-SP) no Twitter na manhã desta 5ª feira (10.out.2019) depois ver o apoio do congressista ao ato do PSL de punir congressistas ligados ao presidente Jair Bolsonaro.

Eduardo questionou se o deputado vai retirá-lo da presidência da CREDN (Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional) da Câmara. Também se Bozzella, quando for candidato, irá usar a imagem de Bolsonaro na tentativa de se eleger.

“Dep. @bozzellajr vai me tirar da presidência da CREDN? Vai tentar punir quem é Bolsonaro e depois espalhar outdoorzinho com a sua cara ao lado da do presidente? Se for para falar esse tipo de merda p/ imprensa pelo menos dê os nomes ou então fica quieto!”, disse.

Mais cedo, Bozzella concedeu uma entrevista ao G1. A reportagem diz que o comando do PSL punirá congressistas que tomarem atitudes consideradas infiéis à sigla.A decisão vem em meio ao embate entre Bolsonaro e Luciano Bivar, presidente do partido. A crise interna começou depois que Bolsonaro disse a 1 apoiador para “esquecer”o PSL, e que Bivar estava “queimado”.

Ao comentar o assunto, Bozzella disse que as punições não configuram “perseguição política”, mas o partido “não é a República das Bananas”.

“Aqueles que atacarem o partido, obviamente, estarão sujeitos a algum tipo de punição. […] O partido é sério, é uma instituição e tem regra. Então, aquele que descumprir e atacar a imagem da instituição, automaticamente sofrerá algum tipo de punição, com certeza”, disse ao G1.
A CRISE NO PSL
Após o vídeo com a fala de Bolsonaro ao apoiado ser divulgado, na noite dessa 3ª feira (8.out.2019), deputados do PSL jantaram com Luciano Bivar, num restaurante em Brasília.

No dia seguinte, o presidente do PSL disse que Bolsonaro já estava afastado do partido. “A fala dele foi terminal, ele já está afastado. Não disse para esquecer o partido? Está esquecido”, disse à jornalista Andréia Sadi, da Globo News. Em seguida, Bolsonaro disse que não pretende deixar o PSL “de livre e espontânea vontade”.

Nessa 5ª feira (10.out), Bolsonaro reforçou que irá permanecer na sigla, e que não há crise no partido, apenas uma “briga de marido e mulher”. No mesmo dia, 1 grupo deputados da sigla buscou saída jurídica para deixar o PSL, caso o presidente tenha que sair do PSL.

Ainda na 5ª, 20 deputados do partido divulgaram nota conjunta em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Não houve menção no texto sobre a eventual saída dos deputados do partido.

No entanto, o líder do Podermos na Câmara, deputado José Nelto (GO), informou, por meio do Twitter, que ainda em outubro 7 congressistas do PSL vão “migrar” para o Podemos.

Por: poder 360
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário