CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU SE TORNOU ALVO DE BRIGAS MAIS UMA VEZ, ASSUNTOS DE RELEVANCIA E QUE VÃO DE INTERESSE AO POVO PASSAM LONGE DESSA CASA

sábado, 5 de outubro de 2019

O primeiro passo é aprovar o Pacote Anticrime do Ministro Moro


Onde estão as declarações dos artistas decolados sobre a invasão de traficantes em Costa Barros? Eu quero ouvir a opinião da atriz que deu entrevista à revista Marie Claire, dizendo que o governador do Rio “quer atirar de fuzil nas pessoas”. O que ela tem a dizer sobre os traficantes de Costa Barros?




A guerra de Costa Barros começou quando traficantes do Chapadão, dominado pelo Comando Vermelho, decidiram invadir a Pedreira, território do Terceiro Comando Puro.

Eu quero saber a opinião do YouTuber lacrador que ofendeu o governador e todos os policiais do Rio. Será que ele tem coragem de gravar um vídeo ofendendo os traficantes do CV?

Eu quero saber onde estão o "Instituto Igarapé", o “Sou da Paz”, o “Conectas Direitos Humanos”, a “Redes da Maré” e a “Voz das Comunidades” cujo dono foi capa da última edição da revista da Gol. Ninguém vai falar uma palavra sobre Costa Barros? 

Alô alô Anistia Internacional. Nenhum comentário sobre essa guerra? 

Esses intrépidos ativistas, que passam as 24 horas do dia repetindo os nomes de Marielle e da menina Agatha – será que eles ao menos sabem os nomes das vítimas de Costa Barros?

No meio dessa guerra, um soldado do Exército foi baleado nas costas, quando dirigia seu carro na avenida Pastor Martin Luther King. Essa foi a notícia do jornal. “Um soldado do exército”. O NOME DELE NÃO É IMPORTANTE.

Claro que não. Vítimas só interessam quando servem para LACRAR. 

Vítimas só interessam quando é possível acusar a polícia. 

Vítimas só interessam quando sustentam a narrativa do criminoso coitadinho, do traficante como empreendedor e da polícia como força opressora.

A coragem lacradora desses propagadores de mentira e ideologia desaparece quando se trata da vida real, aquela na qual somos eternos reféns dos vagabundos – esse é o termo técnico – portadores de fuzil que ainda dominam mais de 800 “comunidades” no Rio.

Compare as declarações desses ativistas atacando a polícia e o governo do estado, com seu estrondoso SILÊNCIO diante da monstruosidade dos crimes do tráfico. Você vai ficar em dúvida se a causa é burrice, hipocrisia ou cumplicidade.

Para mudar essa realidade é preciso, primeiro, levantar as nossas vozes.

Para vencer o crime, o país precisa mudar a legislação penal. O primeiro passo é aprovar o Pacote Anticrime do Ministro Moro.

Revista Marie Claire, edição de agosto de 2019, pg. 46
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário