SEJA NOSSO APOIADOR, CONTRIBUA COM O NOSSO TRABALHO.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Paulo Guedes afirma que Brasil negocia acordo de livre comércio com a China

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta 4ª feira (13.nov.2019) que o governo brasileiro iniciou conversas com governo chinês para implementar 1 acordo de livre comércio entre os 2 países. Segundo ele, o objetivo é buscar “1 nível alto de integração“.


Em seminário do NBD (Novo Banco de Desenvolvimento), o ministro defendeu o livre comércio com a China em 1 contexto de maior abertura do Brasil ao comércio exterior, em especial com países asiáticos como China e Índia.

“Depois de 8 anos parados no Mercosul, demos passo importante com acordo com a União Europeia e agora conversamos com a China sobre a possibilidade de acordo de livre comércio. Estamos buscando 1 nível alto de integração“, disse Guedes.

Guedes afirmou ainda que a parceira com países asiáticos pode ser benéfica ao Brasil em termos de crescimento econômico. “Todo mundo subindo o padrão de vida. Enquanto, na América Latina, o Mercosul fez o contrário. Enfiamos a cabeça no chão e ficamos fechados“, afirmou.

Ele não deu mais detalhes sobre o possível acordo. Questionado por jornalistas, o ministro limitou-se a dizer que “nossa conversa [com a China] tem sido como incrementar nossa cooperação“.

A China é a principal parceira comercial do Brasil, destino da maior parcela das exportações brasileiras. Em 2019, o saldo comercial com o país asiático ficou positivo em US$ 21,4 bilhões.

CESSÃO ONEROSA

O ministro acrescentou ainda que estuda alterar os atuais modelos de concessão em infraestrutura, priorizando investimentos futuros em vez de bônus de assinatura altos para melhorar as contas públicas. “Nosso objetivo não tem que ser maximizar a arrecadação e minimizar investimentos futuros“, disse, citando a falta de competidores internacionais no leilão de cessão onerosa.

Guedes já havia criticado o modelo do leilão, que arrecadou menos que o esperado pelo governo (R$ 70 bilhões, contra R$ 106,6 bilhões previstos inicialmente). Na ocasião, criticou o modelo de partilha e sugeriu mudanças no regime do pré-sal.

Por Poder 360
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário