As eleições de 20 de outubro foram marcadas por fraudes cometidas por Evo Morales para se perpetuar no poder.


Karen Longaric, chanceler interina da Bolívia, afirmou, nesta quinta-feira (5), que uma nova eleição presidencial ocorrerá entre março e abril de 2020. 

Longaric garantiu que o próximo pleito será “a eleição mais livre que já houve na Bolívia”, informa o jornal Folha de S.Paulo.

Na última quarta-feira (4), como noticiou a RENOVA, um relatório produzido pela Organização dos Estados Americanos (OEA) concluiu que o governo do ex-mandatário Evo Morales praticou “ações deliberadas para manipular os resultados”, incluindo alteração e queima de atas de votação e falsificação de assinaturas.

A convocação de um novo pleito está sendo prometida desde que a senadora Jeanine Añez assumiu o poder de forma interina, em 12 de novembro, ocupando o vácuo deixado após a renúncia de Morales, de seu vice e dos presidentes do Senado e da Câmara.

Fonte: Renova Mídia