Filme do PT “Democracia em Vertigem” perde Oscar 2020

Indicado a 92ª edição do Oscar, o filme “Democracia em Vertigem”, dirigido pela mineira Petra Costa, foi derrotado na categoria de Melhor Documentário. Na categoria em que o filme concorria, o vencedor foi “American Factory“, de Steven Bognar e Julia Reichert. O longa da Netflix mostra a fragilidade das relações trabalhistas dos EUA com a abertura da indústria chinesa pós-crise norte-americana.


A cerimônia do Oscar 2020 está sendo realizada neste domingo (9.fev.2020) em Los Angeles, nos Estados Unidos. Se tivesse recebido a estatueta, o filme de Petra Costa teria sido a 1ª produção completamente brasileira premiada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas do Oscar.

Disponível na plataforma de streaming Netflix, o longa brasileiro sugere ter havido uma quebra nas regras democráticas durante o julgamento do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. O processo foi feito pelo Congresso, sob o comando do STF (Supremo Tribunal Federal).

O roteiro de Petra mistura memórias e percepções pessoais da cineasta com registros mostrando a ascensão e queda da esquerda no poder, representada pelo PT, até a chegada da extrema direita ao poder, com a eleição do presidente Jair Bolsonaro, em 2018. 

BRASILEIROS NO OSCAR

Na história, apenas 7 filmes com produções totalmente brasileiras já concorreram ao Oscar, em 8 categorias diferentes. São eles: “O Pagador de Promessas” (1963), “O Quatrilho” (1996), “O Que é Isso, Companheiro?” (1998), “Uma história de Futebol” (2001), “Cidade de Deus” (2004), “O menino e o Mundo” (2016) e “Democracia em Vertigem” (2020).

Na categoria de Melhor Filme Internacional (antiga Melhor Filme Estrangeiro), foram 3 indicações brasileiras: “O Pagador de Promessas” (1963), “O Quatrilho” (1996) e “O Que é Isso, Companheiro?” (1998). Oito coproduções brasileiras já concorreram, mas dessas, apenas uma venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro: “Orfeu Negro” (1960), com produção do Brasil, França e Itália. Nenhum documentário brasileiro ou com participação de brasileiros recebeu prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas do Oscar.

Apenas uma brasileira, Luciana Arrighi, já foi premiada pela Academia, na categoria de Melhor Direção de Arte, em 1993, com o filme “Howards End”. No entanto, o filme teve produção exclusiva do Reino Unido, Estados Unidos e Japão.

Nesta edição, o filme “A Vida Invisível”, do diretor Karim Aïnouz, foi escolhido pela Academia Brasileira de Cinema para representar o país na corrida pelo Oscar 2020 da categoria Melhor Filme Internacional. “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho, foi o 2º cotado para concorrer, com 4 votos. Mas nenhum dos filmes chegou a etapa final.

“MILITANTE ANTI-BRASIL”

A Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República) rebateu declarações da cineasta Petra Costa sobre o governo brasileiro. Em uma entrevista concedida pela cineasta à PBS, uma emissora pública norte-americana, a diretora de “Democracia em Vertigem” diz que o governo de Jair Bolsonaro carrega a bandeira de “ideias de extrema-direita”, como o combate aos direitos dos gays e dos negros e ao feminismo, que “estão crescendo na sociedade brasileira”. A cineasta também afirma que Bolsonaro “incentiva fazendeiros a invadir terras indígenas e a queimar a Amazônia”.

Por meio da conta oficial do órgão no Twitter, a Secom divulgou 1 vídeo, com a entrevista de Petra, em que se contrapõe às afirmações. Disse que “o governo federal não fez nenhuma ação contra direitos de minorias” e que, para Bolsonaro, “qualquer invasão de terra é terrorismo”. Também mencionou ações desenvolvidas no combate às queimadas na Amazônia. Também chamou a cineasta de “militante anti-Brasil” e afirmou que ela “está difamando a imagem do país no exterior”.

Fonte: Poder360

Postar um comentário

0 Comentários