“Democracia e liberdade acima de tudo”, diz Bolsonaro depois de protestos nesse domingo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta 2ª feira (20.abr.2020) que não é autoritário e que defende democracia e liberdade “acima de tudo“. Ele fez a declaração 1 depois de discursar num ato que tinha entre suas principais pautas o restabelecimento do AI-5 (Ato Institucional 5), o mais repressivo da ditadura. A medida dava ao presidente a prerrogativa de fechar o Congresso e cassar mandatos de políticos. 



“Queremos voltar ao trabalho. O povo quer isso. Estavam lá saudando o Exército brasileiro. Fora isso é invencionice, é tentativa de incendiar uma nação que ainda está dentro da normalidade. No que depender do presidente Jair Bolsonaro, democracia e liberdade acima de tudo”, disse.

Bolsonaro deu a declaração numa entrevista à imprensa de 7 minutos e 50 segundos (assista à integra abaixo), na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Logo que se dirigiu aos repórteres, afirmou:

“Quem vai falar sou eu. Quem não quiser me ouvir está dispensado, está ok?”

Ele prosseguiu, em referência à manifestação:

“Dia de ontem, dia do Exército brasileiro. O povo nas ruas em grande parte pedindo a volta ao trabalho. Desde que começou esse problema há mais de 1 mês, venho falando que devemos tratar desses 2 problemas simultaneamente: vírus e desemprego.”

Bolsonaro afirmou que ele próprio, na figura de presidente da República, representa a Constituição. “O pessoal geralmente conspira para chegar ao poder. Eu já estou no poder. Eu já sou o presidente da República. Então, eu estou conspirando contra quem, meu Deus do céu? Falta 1 pouco de inteligência àqueles que me acusam de ser ditatorial”, disse.

BOLSONARO REPUDIA PEDIDO PARA FECHAR CONGRESSO

              

Ele também falou que, se tiver que demitir qualquer ministro, demitirá –e acrescentou que essa afirmação não representava uma ameaça. “Longe de ameaça. Não tem ameaça da minha parte. Agora, se ele desviar daquilo que eu prometi durante a pré-campanha e a campanha, lamentavelmente está no governo errado”.

Neste momento, 1 apoiador gritou:

“Fecha o Supremo!”

Bolsonaro interrompeu:

“Ou, sem essa conversa de fechar, aqui não tem fechar nada, dá licença aí, aqui é democracia, aqui é respeito à Constituição brasileira, e aqui é minha casa e a tua casa, então peço por favor que não se fale isso aqui. Supremo aberto, transparente; Congresso aberto, transparente.”

PRESIDENTE NÃO RESPONDE REPÓRTERES E TERGIVERSA SOBRE AI-5

Até então, os repórteres não tinham feito qualquer pergunta. Deixaram o presidente falar. No entanto, com a brecha aberta pelo apoiador do presidente que pediu o fechamento do STF, 1 jornalista questionou:

“Qual era o objetivo do ato, presidente?”

“Ou, você é da Folha, não quero responder para a Folha”, respondeu Bolsonaro.

“Eu não sou da Folha, presidente. Qual o objetivo do ato?”, retrucou o repórter.

“Qual seu jornal? Qual seu jornal?”, cobrou o presidente.

“Faz diferença? Eu sou da imprensa”.

“Qual o seu jornal?”, insistiu Bolsonaro.

“Eu sou do jornal O Globo, presidente”

“Não quero para com O Globo também”, encerrou Bolsonaro, sendo aplaudido por seus apoiadores.

“A Globo nem devia estar aqui”, acrescentou.

O presidente voltou a ser questionado sobre quais seriam as pautas do ato deste domingo no qual ele discursou. As principais demandas da manifestação eram o restabelecimento do AI-5 (Ato Institucional 5), o mais repressivo da ditadura; uma intervenção militar; os fechamentos do Congresso e do STF (Supremo Tribunal Federal); e o fim do isolamento social.

Bolsonaro, no entanto, respondeu que os objetivos da manifestação eram “O povo na rua, Dia do Exército e volta ao trabalho”.

Ele foi questionado mais uma vez se, então, repudiava os pedidos feitos pelos manifestantes por restabelecer o AI-5. A resposta foi a seguinte:

“Eu falei que eu vou responder aqui, não quero papo com vocês. Todo e qualquer movimento tem seu infiltrado, tem gente que tem a sua liberdade de expressão. Respeite a liberdade de expressão.”