O ministro Paulo Guedes (Economia) confirmou ao Poder360 nesta 2ª feira (15.jun.2020) que Bruno Funchal será o novo secretário do Tesouro Nacional. Ele é diretor de Programas do Ministério da Economia e ex-secretário da Fazenda do Espírito Santo.

                                                

Mansueto vai para a iniciativa privada depois de cumprir a quarentena tempo para garantir que o ex-servidor não use informação privilegiada na nova profissão.

Ao Brazil Journal, Mansueto falou que pretendia deixar o cargo no início do ano. Estava se sentido cansado, já que estava na função de “caixa do governo” desde 2018.

Devido à pandemia, ficou mais tempo na função para ajudar na transição da crise. Alega que agora é o momento ideal para o novo secretário assumir.

Segundo o economista, o novo responsável pelo Tesouro terá sob sua alçada a responsabilidade de ajudar no ajuste fiscal pós-covid-19.

Mansueto é forte defensor do ajuste nas contas públicas. Tem bom trânsito no mercado financeiro e interlocução com o Congresso Nacional. Devido à saída dele, analistas do mercado financeiro estavam receosos sobre qual seria o substituto. Às 14h57, o Ibovespa recuava 0,69%, aos 92.154 pontos.
CONTAS PÚBLICAS

A Instituição Fiscal Independente, ligada ao Senado Federal, estima que as contas do setor público consolidado (União, Estados, municípios e empresas estatais) deverão registrar deficit primário recorde de R$ 912,4 bilhões neste ano (13,2% do PIB). Já a dívida bruta poderá chegar a 96,1% do PIB.

O diagnóstico da IFI é 1 alerta para a sustentabilidade fiscal brasileira.

Para Mansueto, o ajuste fiscal continuará nos próximos anos. Justificou em entrevista: “Porque quem quer que seja o próximo secretário do Tesouro, ele vai seguir as diretrizes do ministro Paulo Guedes que, no final, segue as diretrizes do chefe do Poder Executivo, que é o presidente Jair Bolsonaro”.

QUEM É BRUNO FUNCHAL 

O nome de Bruno Funchal foi confirmado formalmente na tarde nesta 2ª feira (15.jun). Ele assumirá o cargo em 31 de julho de 2020.

Desde janeiro de 2019, é diretor de Programas no Ministério da Economia e presidente do Conselho Fiscal da Caixa Econômica Federal.

De 2017 a 2018, ele foi secretário de Fazenda do Espírito Santo durante o governo Paulo Hartung. O Estado é considerado 1 bom exemplo de gestão com as contas públicas

Também é professor na Fucape Business School há 13 anos.

Funchal é PhD em economia pela Fundação Getúlio Vargas. Sua área de especialização envolve o mercado de crédito e a alocação de ativos.

Foi diretor na AlphaMar Investimentos (2013 a 2017) e membro do conselho fiscal da Sociedade Brasileira de Econometria (2016 a 2017).